quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

GRAACC organiza leilão de vinhos para arrecadar fundos para pacientes com câncer!


O GRAACC, referência no tratamento do câncer infantojuvenil, realizará no segundo semestre de 2016 um leilão em prol da causa.
A instituição já começou a receber doações de garrafas de vinho e outras peças para o leilão, com destaque para os raros Veja-Sicília Único 2013, Chateâu Palmer 2014 e Château Suduiraut Sauternes 1998.
Todas as garrafas já estão armazenadas em adegas na Dedalo Leilões, localizada no bairro dos Jardins, em São Paulo, que será a responsável pelo evento.

Você também pode fazer parte desta causa e ajudar os pacientes do GRAACC a terem uma vida inteira pela frente: contribua com esta ação especial.

Para fazer a sua doação ou mais informações, entre em contato pelo telefone (11) 5904-6600 / 99732 28 54 ou mande um email para flavionoguer@graacc.org.br.

Bora participar?

sábado, 16 de janeiro de 2016

ND: Viña Progreso Sueños de Elisa Open Barrel 2011


Filho de peixe, peixinho é?

A história desde vinho e desta vinícola é bem interessante.
Após formar-se em Enologia, Gabriel Pisano - com todo o apoio da família com uma história de mais de 100 anos com o vinho no Uruguai - cria asas e voa mundo a fora, conhecendo com detalhes diversas regiões, vinícolas e grandes vinhateiros do Velho e Novo Mundo, casos de David Ramey (Sonoma – Califórnia), Beyers Truter (Stellenbosch – Africa do Sul) e Michel Rolland (Clos Apalta – Chile), além de realizar trabalhos na Espanha e no Priorato, exatamente onde o aprendeu uma técnica que os produtores lá utilizam para a vinificação de pequenos lotes: a Open Barrel ("barrica aberta"). 

Já de volta ao Uruguai - e cheio de ideias! - o jovem e inquieto Pisano logo inicia seu próprio projeto,
onde seus sonhos finalmente se tornariam realidade e seu talento poderia ser conhecido pelo Uruguai e pelo mundo. Nascia assim a Viña Progreso, uma espécie de vinícola experimental, sem vinhedos, adega e nem ao menos equipamentos próprios, na definição do próprio Gabriel uma "vinícola de garagem", com produção limitada, mas inovadora, a soma do pedigree Pisano com a vontade de inovar, de mostrar a sua cara.

Tive o prazer de conhecer a Pisano (leia o 
artigo da visita) algum tempo atrás, ocasião em que também conheci Gabriel e seus vinhos, que me chamaram bastante à atenção pela personalidade e rusticidade típica da família, mas principalmente pela maciez que os tornam destacados. Dentre todos, o que mais me encantou foi exatamente o Sueños de Elisa Tannat 2011, pioneiro do estilo Barrica Aberta no Uruguai.

No processo, as uvas são colocadas numa barrica de carvalho, as uvas são prensadas manualmente e são usadas apenas leveduras indígenas. Terminado o processo de fermentação, a barrica é "reconstruída" e o vinho permanece por mais alguns meses (6 meses nesta safra), terminando seu amadurecimento. A produção de pouco mais de 1000 garrafas e o enólogo homenageou sua tia, Elisa,
 que é também quem ilustra os rótulos da Viña Progreso.

Vamos ao vinho.


Cheio de fruta em compota em perfeito equilíbrio com a madeira no nariz, onde também aparecem notas de chocolate e algo de especiarias doces. Na boca, excelente acidez, muita fruta (de novo) e toques tostados e de chocolate dão a tônica. Taninos supermaduros e final longo, elegante e macio. Este é um daqueles vinhos que o prazer e a vontade de continuar bebendo transcedem a análise/descrição organoléptica. Uma aula de vinificação de Tannat e prova obrigatória para qualquer enófilo. Certamente um dos grandes vinhos da América do Sul. Seu preço pode parecer não muito convidativo, mas vale cada centavo! Sem dúvida um vinho com o tempero Pisano: sincero, rústico e frutado com uma pitada de maciez da nova geração.

REFINADO (17/20) / R$ 345,00 (Importadora Vinci)
E foi assim.

É a prova de que fazer grandes vinhos é transmitida de geração para geração! Se a geração dos irmãos Daniel, Gustavo e Eduardo consagrou os trabalhos de Don Cesar e dos demais antepassados em Progreso, Gabriel Pisano é o legítimo sucessor do legado dos Pisano. Um daqueles vinhos que merece o título de "vinhaço".

Que Baco nos ilumine!

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Já provou um corte de Cabernet Franc, Merlot e Malbec? Villaggio Grando Além Mar 2009



Hoje vou escrever sobre um vinho bastante interessante de vinícola que venho acompanhando há alguns anos e tenho notado sua seriedade e melhora dos seus vinhos ano após ano: a Villaggio Grando, da região de Água Doce, Santa Catarina.

O site da Villaggio Grando conta assim sua história:

"A história se inicia nos anos 90, quando com um amigo francês, cuja família era produtora de armanhaque há muitos anos na França, visitando a região onde hoje se localiza a vinícola, mexendo na terra e analisando o clima e a altitude, indicou o local como "um dos grandes lugares do mundo para se plantar uva para produção de vinhos de qualidade". Um ano após este fato o fundador Maurício Carlos Grando, encontrou-se com o enólogo Jean Pierre Rosier, formado na universidade de enologia de Bordeuax, na França, em uma degustação e este confirmou as idéias expostas. Este mesmo enólogo trouxe da França as primeiras mudas, as quais, em dezembro de 1998 foram plantadas, iniciando um laboratório de pesquisa para a adaptação de castas, o qual, hoje conta com mais de 100 variedades de vitis viniferas, em 5 hectares, diariamente pesquisadas e controladas para se chegar ao exato conhecimento das variedades que melhor se adaptarão ao terroir. Dois anos se passaram e em 2000, foram implantados alguns dos vinhedos hoje existentes em escala comercial com aquelas que melhor se adaptaram à região. O vinhedo vem sendo aumentado com o intuito de se ter plantações suficientes para que sejam abortados todos aqueles cachos em excesso, dando assim à planta, capacidade plena de produzir frutos com qualidade igual a vista nas regiões vinícolas já consagradas do mundo e possibilitando produzir vinhos de forma natural que atingem ótimos níveis de maturação e guarda. Sempre prezando pela máxima qualidade dos produtos a vinícola vem, ano após ano, investindo no controle de produção, melhoramento dos produtos e conta com um vinhedo de 45 hectares cuja produção somando todos os produtos que engloba tintos, brancos, espumantes e em um futuro próximo, um brandy e licoroso chegando a 260.000 garrafas/ano."

Conheci bem os espumantes da vinícola, que obtiveram destaque nas edições do Ranking Vinho SIM de Espumantes Nacionais - e agora seus brancos e tintos também foram bem avaliados pelos jurados da 1ª Edição do Ranking Vinho SIM de Brancos, Tintos e Rosés (2015), motivo pelo qual acabei me interessando em conhecer melhor este Além Mar 2009.


Este corte de Cabernet Franc, Merlot e Malbec, elaborado em terras catarinenses pelo renomado enólogo português António Saramago é uma daquelas raridades que só quem está aberto ao novo é capaz de encontrar. Nariz cheio de frutas vermelhas e negras acompanhadas de toques mentolados, florais e tostados. Na boca tem um equilíbrio diferente/interessante: acidez-maciez-fruta. Elegante, com boa vocação gastronômica e final delicioso. Com todos atributos, o preço na casa dos R$ 79,00 ainda é uma boa pedida. Recomendado.

ÓTIMO (16/20) / R$ 79,00 (www.villaggiogrando.com.br)
E foi assim. 

Que Baco nos ilumine!

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Pepe Reginato, um dos maiores 'gurus' do espumante Argentino

 REGINATO CAJA X 6 Espumante   Brut CHARMAT

Foi durante uma visita à Bodega Hacienda del Plata (recorde o artigo) que conheci Pepe Reginato, uma espécie de guru do espumante argentino, consultor de diversas vinícolas mendocinas na produção deste tão maravilhoso vinho.

Com uma fala segura e direta, de quem conhece o assunto, Pepe apresentou com exclusividade ao Blog Vinho SIM dois espumantes de sua produção, cuja elaboração é dividida com Mathias Prieto, enólogo também da Hacienda del Plata, que na ocasião não pode estar presente por compromissos pessoas.


Provamos alguns espumantes bem distintos e bem interessantes, mas estes dois mencionados pelo Pepe foram os que realmente mais se destacaram, principalmente por serem produzidos com uvas Malbec, produtos quase únicos no mundo do vinho.

O primeiro foi o Reginato Malbec Rosé 2013, um Charmat com dois meses de contato com as borras que já chama à atenção por ser um Charmat safrado, algo pouco comum. Se mostrou leve com frescor médio, um toque de taninos bem interessante e incomum nos espumantes brasileiros e final levemente adocicado. Na avaliação VS mereceu a nota 15/20. 

O segundo foi o 
Reginato Celestina Malbec 2011, produzido pelo método Tradional com 36 meses de contato com as borras e também safrado. Aqui a Malbec já mostra um pouco mais, trazendo muitas notas de frutas vermelhas maduras que, acompanhadas das notas tostadas e de fermentação formam um conjunto bem raro e interessante. Na boca, o adocicado das frutas é acompanhado de perto por ótima acidez que deixa o espumante muito equilibrado. Persistência longa e final muito saboroso completam o conjunto, que mereceu amealhou 17/20 pontos na avaliação VS.

São espumantes que não estão no Brasil, embora tenham preços (US$ 4,00 e US$ 7,00, respectivamente, no mercado Argentino) que, dependendo de algumas condições de mercado, podem ser competitivos por aqui.

E assim tivemos a oportunidade de viver mais esta experiência que tenho o prazer de compartilhar com vocês.Para dúvidas, comentários, críticas e sugestões deixe seu comentário.

Que Baco nos ilumine!

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

ND: Alto de La Ballena Tannat + Viognier 2010

O Uruguai não cansa de me encantar ...

A vinícola da vez é a
Alto de La Ballena, um pequeno empreendimento com 8 hectares de vinhedo, localizado na Serra de La Ballena (Departamento de Maldonado), a pouco menos de 15 km de Punta Ballena e bem perto de Punta Del Este. Considerada uma vinícola boutique, a idealização de Paula Pivel e Álvaro Lorenzo produz ótimos vinhos à base de Tannat, Merlot, Cabernet Franc, Syrah e Viognier.
Seus vinhos são destacados pelo conjunto mineralidade-frescor-fruta, características potencializadas pela forte influência marítima
.

Tenho provado alguns vinhos bem interessantes da vinícola e, em especial, este me chamou bastante à atenção. 


Interessante corte de Tannat (85%) e Viognier (15%).

Frutas vermelhas, flores e chocolate são permeados por notas de côco e algo de couro, dando um 'quê' rústico-refinado, que me causa uma certa inquietude. Tenho gostado bastante da parceria Tannat + carvalho estadunidense (este vinho estagia 9 meses em barricas novas). Na boca, as notas acima se confirmam e vêm acompanhadas de ótima acidez e um mineral muito gostosos. Mais um excelente exemplar uruguaio, do qual foram produzidas apenas 9800 garrafas. Vale a prova.

ÓTIMO (16,5/20) / R$ 120,00 (Importadora La Charbonnade)
E foi assim. 

Que Baco nos ilumine!









terça-feira, 8 de setembro de 2015

O enólogo Lucas Amoretti fala sobre o seu exclusivo Entonado Malbec 2012 (Direto de Mendoza!)


Mais uma daquelas experiências únicas que o mundo do vinho me proporcionou. É assim que eu descrevo esse encontro com Lucas Amoretti, a quem conheci durante o I Desafio Brasil x Argentina de Espumantes que organizei em Mendoza, ocasião em que uma admiração surgiu imediatamente por este jovem enólogo - com ótimo trabalho desenvolvido na gigante Trapiche -, certamente com grande potencial para num futuro próximo ser um dos mais destacados de Mendoza.

A sintonia foi tão grande e imediata que Lucas nos convidou para provar um vinho de seu projeto pessoal - desenvolvido com outros 3 amigos -, o vinho 
Entonado Malbec 2012.

A descrição "organoléptica" no contra-rótulo do vinho - que você acompanha no vídeo a seguir com o próprio Lucas - já fala por si só (em tradução livre). 
Nariz: vermelho; Boca: sorridente; Vista: algo nublada; Final: Feliz.



Brincadeiras à parte, o vinho é muito bom! Cheio de fruta, tanto no nariz quanto na boca, com algumas notas de chocolate e algo de especiarias. Excelente acidez e taninos bem comportados. O final muito sedoso e longo é um belo convite para o próximo gole. Não está no Brasil e creio que nem estará num futuro próximo, especialmente este 2012 cuja produção foi de apenas 2000 garrafas. Estando em Mendoza, procure por ele. Valerá a pena!

ÓTIMO (16/20)


Nada melhor que o próprio "pai" para falar de seu filho.


E por momentos como esse que o mundo do vinho é tão espetacular.

Que Baco nos ilumine!

terça-feira, 1 de setembro de 2015

ND: Gran Legado Chardonnay 2013

Localizada na antiga Maison Forestier (município de Garibaldi), dentro da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos (RS), a Gran Legado - com mais de duas décadas de tradição na produção de vinhos finos - tem conseguido destaque nos últimos, principalmente através de seu espumante Brut Champenoise, vencedor da Expovinis 2014.

Ainda em 2014, na 22ª edição da Avaliação Nacional de Vinhos (Bento Gonçalves - RS), seu Chardonnay 2014 ganhou destaque sendo indicado como uma das amostras mais significativas da categoria, fato que me chamou à atenção e motivou a buscar mais informações sobre o vinho, principalmente pelo seu baixíssimo custo, abaixo dos R$ 25,00. 
Provei o 2014 (às cegas) durante a edição deste ano do RVS de Brancos, Tintos & Rosés (leia o artigoe gostei, assim fui buscar mais informações até chegar neste 2013.


Mais um nacional de se tirar o chapéu, especialmente se levarmos em conta a relação qualidade-preço. Com pouco menos de R$ 25,00 você prova este Chardonnay Gran Legado (na verdade este 2013 creio que não tenha mais, mas o 2014 também é muito interessante) que no nariz mostrou frutas tropicais maduras, notas de frutas secas e algum tostado. Na boca, a ótima acidez vem acompanhada de gostoso amanteigado, já uma presença de oxidação (apesar da pouquíssima idade), bom corpo e persistência média num final gostoso. Vinho bem bacana, que pode ser harmonizado com pratos com certa estrutura, como massas com molhos a base de queijo ou até mesmo um fricassé de frango ou uma galinhada. Vale a prova. 

ÓTIMO (15/20) / R$ 24,00 (www.granlegado.com.br)
E foi assim. 

Que Baco nos ilumine!

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

ND: Dall'Agnol Fumê Blanc 2014 - Compre antes que acabe!


Quem acompanha o Vinho SIM sabe o quanto me entusiasmo ao falar dos vinhos produzidos no nosso país, vinhos estes que melhoram a cada ano e, mais, surpreendem a cada nova safra.

Ao passo em que muitos produtores de países como Chile e Argentina e os do Velho Mundo - que continuam produzindo coisas excelentes! - caminham cada vez mais para a produção de "vinhos pontuadores", vinhos padronizados por uma espécie de receita de alguns consultores para conquistar pontuações nas grandes publicações, há produtores que parecem não se submeter ao mercado - ou esperam que a crítica os reconheça independentemente dos padrões - e nos brindam com 
vinhos que nos surpreendem por serem excelentes exatamente por não se parecerem com "nada".

Este é o caso deste 
Dall'Agnol Fumê Blanc 2014, dos enólogos Irineo DallÁgnol e Alejandro Cardozo, que apresentam um vinho único dentre os brasileiros, o primeiro Fumé Blanc produzido por aqui.

Fumé Blanc?

O site winepros.org traz a seguinte descrição para o nome: "Em 1968, Robert Mondavi começa a produzir vinhos de estilo "seco" com a Sauvignon Blanc e sugeriu o nome de "Fumé Blanc", numa espécie de "homenagem" aos Pouilly Fumé do Vale do Loire - França, um dos mais populares do mundo. Durante muitos anos o nome se restringiu a uso estadunidense, embora o próprio Mondavi tenha feito questão de não registrá-lo
 -, mas nos últimos tempos começa a pipocar pelo mundo, como é o caso do Chile e, agora, do Brasil.

Perguntado sobre de onde havia surgido a ideia de produzir este vinho, do porquê de um Fumê Branc (a Estrelas optou por escrever assim mesmo, com acento circunflexo, aportuguesado), Irineo me respondeu:

"Sempre tive vontade de cultivar um vinhedo de Sauvignon Blanc, mas há mais de 10 anos não me encorajava pois é uma das castas mais difíceis de se cultivar nas condições da serra gaúcha. Em agosto de 2012 fizemos uma mé viagem técnica com a Confraria do vinho de Bento Gonçalves para a Austrália Nova Zelândia, foi quando voltei convencido que podíamos fazer vinhos de Pinot Noir e Sauvignon Blanc com qualidade superior aos de lá.

Plantamos logo após a volta em setembro 1 hectare de Sauvignon Blanc e 3 de Pinot Noir. A minha ideia inicial era elaborar um vinho espumante de única fermentação, mas ainda não consegui convencer o Alejandro ... (Nota do Blog: vem mais coisa boa por aí ...)

Bem, 18 meses depois em fevereiro de 2014 colhemos a primeira safra e como o vinhedo era muito jovem a qualidade da uva apresentou maturação irregular o que não indicava para um bom e tradicional vinho Sauvingnon Blanc. Nesta condição surgiu a ideia de elaborarmos o primeiro Fumê Blanc brasileiro."

E depois dessa conversa toda, finalmente provamos o brazuca.



Nariz não impressiona. Fruta branca envolta por uma camada levemente tostada e alguma presença de baunilha.
Já a boca ... ahh a boca. Ótimo conjunto cremosidade-acidez raríssimo de ser encontrado em vinhos nacionais e bem incomum também em grandes chilenos, argentinos, uruguaios, estadunidenses, ... Dizer que se equipara aos Fumés do Loire seria um pouco exagerado, porém não nos esqueçamos de comparar também os preços, este da Estrelas do Brasil custa, no mínimo, umas 4 ou 5 vezes menos. A presença de frutas cítricas delicadamente amaciadas pela presença da madeira e algumas pontadas de mineralidade seduzem bastante o paladar, que fica oscilando entre complexo e fresco por toda a prova. Final muito gostoso, com persistência média e muita ‘vontade de continuar bebendo’.
Um grande ícone da relação qualidade-preço, certamente os R$ 35,00 mais bem gastos do ano. Compre antes que as 2000 garrafas produzidas acabem. Eu mesmo já comprei algumas delas.

Deve harmonizar bem com diversos pratos à base de frutos do mar, como massas com molhos de camarão, camarão na moranga, casquinha de siri ou ainda, como foi nosso caso, com um combinado de sushis e sashimis, que foi muito bem.

REFINADO (17/20) / R$ 35,00 (www.estrelasdobrasil.com.br)


Que Baco nos ilumine!

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

TOP 25 BRASIL 2015: Os 25 melhores vinhos nacionais do ano!



É isso moçada. Depois de um intenso trabalho e da divulgação  dos destaques de cada categoria, a saber:

... é hora de colocar todos juntos e ter um panorama geral de como anda o vinho no Brasil. Os 25 melhores vinhos do ano estão no ar!


VINHO
SAFRA
PRODUTOR
MÉDIA
AV. VS
1
KRANZ MERLOT
2009
KRANZ
18,1
* * * * *
2
GRAN RESERVA C.SAUVIGNON
2004
CAVE MARSON
18,0
* * * *
3
CABERNET FRANC XXIII
2013
VALMARINO
17,6
* * * * *
4
QU4TRO
2009
PERINI
17,6
* * * * *
5
TESTARDI SYRAH
2013
MIOLO
17,5
* * * * *
6
INNOMINABILE
LOTE IV
VILLAGGIO GRANDO
17,4
* * * *
7
PARALELO 8
2011
RIO SOL
17,3
* * * *
8
COLLECTOR C. SAUVIGNON
2010
ARACURI
17,1
* * * * *
9
KRANZ CABERNET SAUVIGNON
2009
KRANZ
17,1
* * * *
10
RASTROS DO PAMPA TANNAT
2013
GUATAMBU
17,0
* * * * *
11
QUINTA DO SEIVAL ALVARINHO
2013
MIOLO
17,0
* * * * *
12
MINERATO
2011
PERICÓ
17,0
* * * *
13
ARACURI PINOT NOIR
2014
ARACURI
16,9
* * * *
14
KRANZ SAUVIGNON BLANC
2012
KRANZ
16,8
* * * * *
15
RESERVA DE FAMÍLIA
2008
VALMARINO
16,8
* * * * *
16
LOTE 43
2011
MIOLO
16,8
* * * *
17
LUAR DO PAMPA CHARDONNAY
2014
GUATAMBU
16,6
* * * *
18
SA CHARDONNAY
2013
SANTA AUGUSTA
16,6
* * * *
19
VG C. SAUVIGNON
2012
VILLAGGIO GRANDO
16,6
* * * *
20
DEDICATO TANNAT
2013
BASSO
16,6
* * * * *
21
ALÉM MAR
2009
VILLAGGIO GRANDO
16,6
* * * *
22
PREMIUM C. SAUVIGNON
2012
DON ABEL
16,6
* * * *
23
ROTA 324
2012
DON ABEL
16,6
* * * * *
24
DEDICATO PINOT NOIR
2014
BASSO
16,5
* * * *
25
VINHA MARIA
2010
RIO SOL
16,5
* * * * *

Dúvidas, sugestões e críticas deixe seu comentário.

No próximo post, os campeões da relação qualidade preço.

Que Baco nos ilumine.

Artigos relacionados

RVS 2015 - Os melhores ROSÉS do Brasil
RVS 2015 - Os melhores TINTOS ATÉ R$ 50,00 do Brasil
RVS 2015 - Os melhores BRANCOS ATÉ R$ 50,00 do Brasil