Direto do Vale do Colchágua - Chile: Lapostolle

Publicado por Blog Vinho SIM em 25.12.12 com Sem comentários


Fundada em 1994 por Alexandra Marnier Lapostolle, uma das herdeiras da família Marnier - dona do licor mundialmente conhecido Gran Marnier -, a vinícola Laspostolle tem uma arquitetura incrível, muito moderna e bonita.

Vizinha da Viña Montes (leia relato da visita do Blog Vinho SIM aqui), em Apalta - Vale do Colchágua, a vinícola cultiva Carmenère, Merlot, Cabernet Sauvignon, Petit Verdot y Syrah em parreiras que datam de 1920 e que foram trazidas diretamente da França. Possui vinhedos também no Vale de Casablanca, onde cultiva Chardonnay e Pinot Noir e no Vale Cachapoal, onde cultiva Cabernet Sauvignon, Sauvignon Blanc e Syrah. Os vinhedos são 100% orgânicos e biodinâmicos, certificados  pelas organizações Ceres e Demeter, de renome internacional. Ainda em Apalta, há um belo hotel, o Lapostolle Residence, onde, a preços nada convidativos, você poderá se hospedar numa das quatro suítes, nomeadas de Carmenère, Merlot, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot e desfrutar de toda a estrutura e bela vista do Vale.


Reservei minha visita/degustação a partir daqui mesmo, através de e-mail em que me informaram que os vinhos degustados seriam um da linha Casa, um da linha Cuvée e o Clos Apalta, ícone da vinícola, o que me pareceu  suficiente, levando-se em conta que teria várias outras visitas/degustações.


A visita, que percorre diversos andares da vinícola - desde o superior onde é feito o desembarque das uvas até um subterrâneo, 15 metros abaixo, onde os vinhos descansam em barricas e há uma sala de degustações e uma adega pessoal dos proprietários (inacessível, claro!) - vale a pena e foi muito conduzida pela sommelière e atendente de turismo Erika Piña.


Após a visita e já a 15 metros subterrâneos fomos à degustação. Os vinhos escolhidos foram o Casa Sauvignon Blanc 2011, o Cuvée Alexandre Merlot 2008 e Clos Apalta 2009.

O Casa SB 2011 apresentou-se amarelho palha bastante brilhante. Notas de frutas tropicais e algo herbáceo no nariz, nada que tenha se dastacado. Na boca, acidez típica da SB, bem equilibrada às notas frutadas. Leve amargor residual.


O Cuvée Merlot 2008, que na verdade possui 15% de Carmenèré em sua composição, de cor vermelho violáceo, apresentou algumas notas tostadas, fumo, caramelo e côco queimado, bem interessante. Na boca, a presença da Carmenère é notada com boa presença tânica. Bom corpo, acidez correta. Muito bom de beber.


O Clos Apalta 2009 é um blend de 78% Carmenère, 19% CS e 3% de Petit Verdot. Visual bem bonito, vermelho rubi bem intenso com tons violáceos. No nariz, fumo, especiarias e baunilha, além de frutas pretas maduras, como amora e ameixas. Muito bem estruturado, com taninos ainda não tão maduros e pouca acidez, o que nos convida a bebê-lo imediatamente. Pode (e deve) ter algum potencial de guarda, mas, ao contrário da vinícola, eu não acredito que deva melhorar significativamente nos próximos anos.

 

Mais uma ótima visita/degustação altamente recomendada!

Que Baco nos ilumine!
Reações: