Degustação DO Ribera del Duero - Visão Geral

Publicado por Blog Vinho SIM em 22.6.12 com Sem comentários


A Cámara Oficial Española de Comercio en Brasil, junto com a ASEBOR (Asociación Empresarial de Bodegas acogidas a la D.O. Ribera del Duero), organizou no dia 20/06 no restaurante A Figueira Rubaiyat, em São Paulo, um Showroom & Degustação com a presença de 11 vinícolas provenientes das províncias de Burgos e Valladolid, duas das quatro que compõem a região D.O. Ribera del Duero.
Fonte: Junta de Castilla y León. Acesso em junho/2012.

O evento contou com representantes das Bodegas Cuevas Jimenez, Del Campo, El Lagar de Isilla, Garcia de Aranda, Martin Berdugo, Montevannos, Pascual, Tamaral, Valduero, Viñabuena e Vinhedos la Nava, que trouxeram ao Brasil mais de 50 vinhos para serem demonstrados e degustados.

As bodegas desta região produzem vinhos principalmente com a uva Tempranillo, que é a principal uva da região e conhecida localmente por Tinta del País ou Tinto Fino.

Uvas Tempranillo da região de Ribera del Duero

O nome Tempranillo vem de temprano, que significa cedo. A uva recebe este nome justamente por ter um ciclo de crescimento e amadurecimento curto, um pouco menor que as demais variedades da região.
Provamos também alguns brancos muito interessantes, produzidos a partir da uva Verdejo (também conhecida como Botón de Gallo Blanco, Gouveio, Verdeja, Verdeja Blanca, Verdejo Blanco, Verdelho ou Verdello), outra variedade local bastante difundida.

Uvas Verdejo.
Créditos: www.sensawine.com. Acesso: junho/2012.

Nos próximos posts vou comentar um pouco mais sobre os produtores e seus respectivos vinhos e, por isso, gostaria de apresentar um pequeno resumo da classificação dos vinhos tintos da DO Ribera del Duero para facilitar a leitura futura.

Tintos Jovens

Vinhos sem estágio em madeira ou com passagem por barricas de carvalho inferior a 12 meses. Muitos produtores optam pela não passagem por madeira e liberam seus vinhos ao mercado no mesmo ano da colheira, são os chamados vinhos do ano

Tintos Crianza

Permanecem no mínimo 12 meses em barricas. A maior parte dos produtores ainda deixa o vinho mais 12 meses na adega antes de liberá-los ao mercado.

Tintos Reserva

Vinhos com 36 meses de envelhecimento entre barrica e garrafa, cumprindo um mínimo de 12 meses em carvalho.

Tintos Gran Reserva

Vinhos com 60 meses de envelhecimento entre barrica e garrafa, cumprindo pelo menos 24 meses em carvalho. A maioria dos produtores só faz estes vinhos em anos de safras excepcionais!

Rosados

Devem ser elaborados com um mínimo de 50% das variedades das uvas autorizadas. Dos presentes a este evento, todos optaram pela produção de rosados com 100% Tempranillo.

Estivemos no evento eu e Talita, e degustamos quase todos os vinhos, tendo tido impressões muito similares sobre a grande maioria: muito bons!



Reações: