Encontro Mistral 2012 - Visão Geral

Publicado por Blog Vinho SIM em 19.7.12 com 4 comentários

O tão esperado e aclamado Encontro Mistral 2012 passou por São Paulo e, como sempre, vai deixar saudades. A lista de personalidades e de vinhos presentes ao evento foi longa (veja aqui) e seria impossível visitar todos nos 3 dias de evento, imagine num único dia!
A convite do amigo Celso Pavani, do EmpórioD'Vino, estive presente e compartilharei algumas impressões com vocês nas próximas linhas.


Como é comum neste tipo de evento, pensei em fazer um set list, um roteiro de prova, ou algo desse tipo, mas a quantidade de produtores excepcionais era tão grande que acabei desistindo da lista e adotei o melhor estilo "deixa a vida me levar".
Mas a sorte grande estava ao nosso lado: logo ao chegar ao Hotel Hyatt encontramos a amiga Camilla Guidolin, sommelière e proprietária da Enoteca Cavatappi, que também não tinha um set list formatado, mas reuniu-se a nós na busca por grandes opções! Foi um acréscimo considerável poder contar com os conhecimentos de uma grande profissional do setor.


Neste post não vou detalhar os vinhos degustados, apenas destacar algumas preciosidades e apresentar a visão geral da "feira". Vamos a elas.

Começo minha aventura pelo Encontro Mistral 2012 com o ranomado Masi. Como não podia deixar de ser, provei a linha toda e os destaques (como também não poderia deixar de ser!) foram os Amarones Costasera 2007 e Riserva Costasera della Valpolicella 2006, os dois primeiros da direita para a esquerda na foto abaixo, ambos na casa dos US$ 185,00.

Linha da Masi
Celso, o diretor Luc DesRoches e eu 
Na sequência fomos à caça da figuraça Luis Pato, visita sempre imperdível nestes eventos. 

Sr. Luis Pato e eu
Dentre os seus já conhecidíssimos vinhos, destaco três. Os doces rosado e tinto da linha AM, produzidos a partir de uvas da casta Baga, submetidas à técnica da concentração (visite o site da vinícola para saber mais) e o Tinto 1988, uma preciosidade com preço compatível à sua complexidade, US$ 265,50.

Linha AM - Vinhos doces de padrão único no mundo
Luis Pato - Bairrada Tinto - 1988: 24 anos e uma jovialidade incrível 
Continuando a árdua tarefa de provar esses vinhos, fomos em busca dos biodinâmicos do Domaine Cazes, vinhos bem interessantes e com excelente relação QUALIDADE-PREÇO, US$ 36,00.
O produtor trouxe ainda dois vinhos doces bem interessantes, valem a prova.

O diretor Louis Blanchard
Depois de um descanso com direito a alguns petiscos e muita água ... 


... fomos conhecer as novidades do fantástico Joseph Drouhin.


E o que dizer destes vinhos? Qualquer palavra, frase ou texto será insuficiente para expressar a delicadeza e a complexidade, além da admiração que eu tenho pelos brancos e tintos deste produtor, então deixarei o leitor refletir apenas a partir da foto abaixo ...


Concluída a etapa de conhecer as novidades de produtores cuja reputação é incontestável, fomos à busca de produtores cujos vinhos não conhecíamos. E começamos bem, com o simpaticíssimo sr. Jose Perdigão, da Quinta do Perdigão.

Sr. Jose Perdigão e eu
Os grandes destaques da vinícola vão para o Touriga Nacional 2006 (US$ 115,00) e o Reserva 2005 (US$ 115,00), vinhos com estilo próprio, carnudos e complexos, muito interessantes. 

O estande do produtor Pascal Jolivet foi a nossa próxima parada. E que parada!

Pascal Jolivet e eu
O produtor, especializado na produção de vinhos brancos, trouxe exemplares fantásticos. Sua linha básica (Attitude, US$ 44,50) já impressiona pela mineralidade e frescor que apresenta, mas os Indigene Pouilly-Fumé 2006 (US$ 110,00) e Exception Sancerre 2004 (US$ 153,50) são vinhos de tirar o fôlego. Vinhos de personalidade, que enchem o nariz e a boca de sensações quase indescritíveis: excepcionais.

Saindo deste deleite de vinhos brancos, fomos conhecer a italiana Le Macchiole. Que surpresa!
Não é de hoje que sou fã dos vinhos produzidos com a uva Syrah, mas até então não tinha notícias de italianos 100% Syrah produzidos com tanto esmero.
Os fantásticos Paleo e Scrio 2007 certamente receberão pontuações impressionantes assim que estiverem nas listas de provas das grandes publicações avaliadoras. Vinhos que conseguem expressar toda a característica da cepa e ainda mostrar a potência e tipicidade dos super-toscanos. Fantásticos!

Linha Le Macchiole: uma das grandes surpresas do Encontro 2012
Para finalizar meus destaques, não podia faltar o sem adjetivos sr. Serge Hoshar e seus vinhos diretamente do Líbano, o Chateau Musar
A vinícola, considerada uma das "Top 100 Wineries 2010" da revista Wine & Spirits, possui 180 hectares de vinhedos instalados no mítico Vale de Bekaa, onde segue uma agricultura não intervencionista, certificada como orgânica no Líbano.

Eu e sr. Serge Hoshar, proprietário do Chateau Musar
Todos os vinhos merecem destaque, porém o Chateau Musar Branco 2005 é um caso a parte. Nós o provamos como vinho de entrada da linha e depois o sr. Serge pediu para o experimentarmos novamente. Indagado do porquê da segunda prova, pós tintos, o simpático proprietário disse-nos que o considera o seu "primeiro tinto", tamanhas complexidade e estrutura do vinho. E com razão.


E essa foi minha visão geral do Encontro Mistral 2012, espero que tenham gostado e em breve publicarei NDs de todos os vinhos degustados, com direito a pitacos dos próprios produtores.

Saúde!
Reações:
Categories: