Do fundo do baú (ou melhor, da adega!): Família Piagentini - Boutique Reserva - Cabernet Sauvignon 2004 (não, você não leu errado!)

Publicado por Blog Vinho SIM em 9.11.12 com Sem comentários

Como já comentei diversas vezes aqui no Vinho SIM, tenho o hábito de, quando gosto muito de um vinho e/ou acredito no seu potencial de guarda, comprar algumas garrafas (se meu dinheiro permite, claro! rs) para provar ao longo do tempo. Este é um exercício muito interessante e divertido de se fazer, pois traz um grande aprendizado sobre a capacidade de decidir se um vinho realmente melhorará com alguns anos na garrafa ou não.

Nos últimos tempos tenho acertado mais que errado, mas confesso que já tive algumas experiências bem desagradáveis, daquelas de abrir uma garrafa com todo o entusiasmo depois de anos de adega e não poder aproveitar o vinho nem pra temperar uma bela salada de escarola com torresmo!

Este não foi, nem de longe, o resultado da degustação do protagonista deste artigo, o Família Piagentini - Boutique Reserva - Cabernet Sauvignon 2004. Não, eu não escrevi errado e nem me confundi!

Nos idos de 2005 e 2006 eu gostava muito deste vinho e sempre comprava-o na Adega Tonel do Rudge, aqui no ABC (São Bernardo do Campo), a adega de vinhos mais tradicional da região e até hoje imbatível no quesito "atendimento ao público iniciante em vinhos". Lembro-me de ter comprado algumas caixas dele (a garrafa custava por volta dos R$ 15,00) e, claro, guardei algumas garrafas. É importante frisar que o vinho não era para ser comparado aos grandes ícones sulamericanos, mas me chamava à atenção o fato de ter uma excelente relação qualidade-preço.

As NDs da época ainda chamam à atenção, pois contém dizeres como "excelente acidez (equilibrada com a doçura) e boa presença de taninos, fruta vermelha abundante, eucalipto, ...". Como sabemos, no mundo do vinho o aprendizado é constante e, às vezes, olhando estas anotações, chego a duvidar de mim mesmo: "será que eu não estava exagerando? Será que este vinho era bom mesmo ou meu conhecimento na época era pequeno demais para poder avaliar com segurança?"

O melhor jeito de responder estas questões era abrir uma garrafa e torcer para que o tempo não tenha deteriorado o vinho. E foi o que fiz!

De cara, a acidez exalou e quase desanimeichegando a ter dúvida se a acidez já havia tomado conta e ele se perdido com o tempo. Alguns minutos e consegui perceber que o aroma inicial era um balsâmico muito intenso. O paladar também apresentou uma acidez excessiva, mas sem denotar defeito. Estranho.

Mais alguns minutos na taça e os aromas de frutas secas foram aparecendo, assim como a acidez excessiva no paladar foi sendo amaciada.

O que fazer? Recorrer ao “santo decanter”, sem dúvida. Uma hora de bate-papo foi suficiente para o humilde Boutique Reserva CS 2004 se tornar um vinho completamente diferente do que aparentou nos instantes iniciais e incrivelmente saboroso. Uma certa complexidade aumentou ainda mais o  meu respeito por este vinho.

Cor vermelho rubi com poucas nuances acastanhadas e bons limpidez e brilho. Algum sedimento, mas bem pouco. No nariz alguma fruta madura e muita fruta seca, como ameixas e tâmaras, assim como uvas passas e toques de especiarias como noz moscada. Balsâmico. No paladar tem corpo leve e a acidez proeminente deu lugar a uma maciez fantástica, com ótimo equilíbrio. Taninos maduros, mas ainda presentes. Boa persistência.


É claro que não estou falando de uma super guarda, são "apenas" 8 anos de garrafa, o que considero bastante para este vinho. Acredito que ainda possa evoluir um pouco mais. Não sei se comemoro ou se lamento, mas tenho mais uma (só?) garrafa na minha adega ...

Lembro-me que as safras seguintes não me encantaram tanto quanto a 2004, por isso acabei não comprando mais, no entanto acabo de me arrepender, seria muito bom poder fazer uma vertical desde vinho!

Peço aos amigos leitores que tiverem provado outras safras deste vinho, a gentileza de compartilhar suas experiências para matar um pouco da minha curiosidade ...

É isso. Saúde!
Reações: