Direto da Adega: Saint Clémentin Chateauneuf du Pape 2005

Publicado por Blog Vinho SIM em 22.2.13 com Sem comentários


Quem vem acompanhando o Vinho SIM sabe que tenho uma certa “mania” de guardar alguns vinhos aparentemente despretensiosos por alguns anos e “ver no que dá”!
Na maior parte das vezes quando provo um vinho que acredito ter bom potencial de guarda e possuo outras garrafas, acabo anotando minhas impressões e guardando uma ou duas garrafas. Aqui no blog já comentei alguns vinhos nestas condições, como o australiano Cape Mentelle e o brasileiro Família Piagentini Boutique, dentre outros.

Antes de falar do protagonista desta brincadeira, o Saint Clémentin Chateauneuf du Pape 2005, vou comentar um pouquinho sobre a região e a denominação de origem que dão nome ao vinho.

Châteauneuf-du-Pape é uma AOC - Appellation d'Origine Contrôlée (Apelação de Origem Controlada) localizada no sudeste da França, nas imediações do Vallée du Rhône (Vale do Rhone). É uma das denominações mais famosas da França e certamente a mais conhecida da parte sul do Rhone.
A região recebe este nome pois a partir do século 14 foi residência do papa Clemente V e de toda a corte do Vaticano que, ao se mudarem, decidiram investir na construção de uma nova sede, carinhosamente chamada pela população local de château neuf (castelo novo, em francês). Ao todo, 8 papados foram sediados na região e em comum a paixão de todos pelo cultivo da uva e a elaboração de vinhos, fatos que deram à região uma grande tradição na arte de fazer vinho.

A região possui cerca de 300 produtores que podem mesclar até 13 uvas na elaboração, sendo as mais emblemáticas a Grenache (a mais cultivada), a Mourvèdre e a Syrah, no entanto Cinsault, Counoise, Muscardin, Terret Noir, Vaccarèse e as brancas Grenache Blanc, Bourboulenc, Clairette, Picardin, Roussanne e Picpoul são todas autorizadas para a produção.

Feito esse micropanorama da região, vamos à degustação do nosso Saint Clémentin Chateauneuf du Pape 2005.

Elaborado com Grenache, Syrah e Mourvédre e com 13,5% de álcool, apresentou coloração acastanhada de média intensidade, ainda com algum brilho. Nariz cheio de frutas maduras e secas com toques de especiarias. Na boca tem corpo médio, com bastante fruta e uma acidez fantástica. Pouca presença de taninos e boa persistência. Foi uma ótima pedida tê-lo aberto e tomado, mas não tenho dúvida que ainda poderia continuar bom por mais diversos anos.


Avaliação VINHO SIM: ÓTIMO (16/20)
Reações: