Confraria Vinho SIM [Fevereiro/2013]: Pinot Noirs da vinícola Ventisquero!

Publicado por Blog Vinho SIM em 26.3.13 com Sem comentários

Depois do ótimo encontro de janeiro, contando com a volta de alguns confrades muito queridos na prova de ótimos Pinotages sulafricanos (confira), a Confraria Vinho SIM se reuniu novamente, agora para provar alguns Pinot Noirs do Vale de Casablanca, no Chile, mais especificamente Pinot Noirs da vinícola Ventisquero.

Para este encontro contamos com a presença do amigo Nicolas Farias, embaixador da Ventisquero no Brasil, que veio nos presentear com suas sempre claras e elucidativas palavras sobre os vinhos e a vitivinicultura chilena!

Vamos logo ao que interessa!

Começamos a noite com o Ventisquero Pinot Noir Reserva 2011.




Produzido com uma mescla de uvas de vários vinhedos de Tapihue, no Vale de Casablanca e com 4 meses de passagem por carvalho. Destacam-se as notas de morangos e framboesas maduras e algo de ervas finas. A safra 2011, mais fria que a média da região, trouxe um quê a mais de elegância a este sempre ótimo exemplar. Final bastante longo, principalmente para um Pinot Noir desta faixa de preço.

R$ 40,00 (Cantu)

Avaliação Vinho SIM: ÓTIMO (15/20) / Relação QUALIDADE-PREÇO: ÓTIMA.


Partimos então para o Queulat Pinot Noir 2010.


Este vinho já é produzido com uvas provenientes de um único vinhedo da mesma região do Reserva e tem passagem de 10 meses por carvalho da Borgonha, parte dele novo. As notas de frutas maduras aqui já são permeadas por notas terrosas e minerais, assim como um tostado muito bem integrado.

Se tivesse que defini-lo com poucas palavras, diria: impressionante relação qualidade-preço.

R$ 60,00 (Cantu)

Avaliação Vinho SIM: REFINADO (17/20) / Relação QUALIDADE-PREÇO: EXCELENTE


Após esta sensacional “introdução” à Pinot Noir, partimos para duas safras de um dos ícones da Ventisquero e, sem dúvida, um dos melhores exemplares chilenos produzidos com esta casta e presente no Brasil: os Heru 2010 e 2008.

Os Heru são produzidos a partir de uvas de pequenas parcelas daquele que é considerado o melhor vinhedo para Pinot Noir da vinícola, na parte mais alta de um terreno com topologia que o Nicolas descreve como uma “carapaça de tartaruga”, geografia essa que garante ótima ensolação às videiras e uma brisa constante, que dão a este Pinot Noir características únicas.

O Heru 2010, que já foi tema da CVS em outubro, foi comentado aqui no Vinho SIM (relembre) e posso afirmar que estes poucos meses em garrafa já trouxeram algum benefício a ele.


Fruta concentrada com notas terrosas e minerais formam a base do vinho, aparecendo ainda algumas notas tostadas e especiadas. Na degustação anterior me lembro de as notas de baunilha e côco terem mais destaque. Como já mencionei outras vezes, gosto destas notas, mas tenho mais prazer em provar Pinot Noirs mais leves e frutados. A evolução que este vinho teve em poucos meses me deixou animado a provar o Heru 2008.

R$ 180,00 (Cantu)

Avaliação Vinho SIM: ÓTIMO (16/20) / Relação QUALIDADE-PREÇO: BOA



Ahhh ... o Heru 2008!


Neste exemplar, produzido nos mesmo moldes do anterior, as notas tostadas e de frutas concentradas já estão bem “domadas”, prevalecendo a harmonia e as características da Pinot Noir. Na boca, a excepcional acidez - me lembrou os bons Borgonhas – dá a este exemplar uma grande vocação gastronômica, que foi colocada à prova com o já consagrado molho de Presunto Parma com limão siciliano do Empório D’Vino, que já está se tornando uma espécie de patrimônio público de Santo André e que, desta vez, acompanhou um belo ravioli de brócolis.

Apesar da diferença de apenas 2 anos, nem parecem o mesmo vinho! Sem dúvida, o Heru possui grande capacidade de envelhecimento.

R$ 180,00 (Cantu)

Avaliação Vinho SIM: REFINADO (18/20) / Relação QUALIDADE-PREÇO: ÓTIMA


Para provar os vinhos e/ou as massas, lembro a todos que o Empório D'Vino fica no 329 da Rua Dr. Messuti, na Vila Bastos, em Santo André. Para maiores informações é só ligar no (11) 2669-2188 e falar com o Celso ou com o Shirley.

Mais um encontro com ótimos vinhos, ótima comida, bate-papo descontraído e grande aprendizado com o amigo Nicolas Farias, a quem deixo aqui, em nome da CVS, nosso muito obrigado!

Pra galera que não foi, só resta aguardar o próximo encontro.

Que Baco nos ilumine!
Reações: