Wine Weekend 2013 - Visão Geral: Entre erros e acertos, valeu a visita!

Publicado por Blog Vinho SIM em 27.7.13 com Sem comentários

De 25/07 à 28/07 a Bienal São Paulo, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, recebeu a Wine Weekend 2013Estive lá na sexta-feira, dia 26/07, acompanhado da minha parceira Talita Martinez, para ter uma visão geral do evento e contar minhas impressões iniciais pra vocês.

Gostei da nova localização, com chegada tranquila e um bolsão de estacionamento com bom número de vagas para carros, embora tenha sentido falta de uma sinalização indicando a entrada.

Na entrada do pavilhão, minha primeira impressão negativa. Nossos nomes constavam na lista de convidados da imprensa, mas, ao contrário do ano passado - e sem nenhum tipo de alerta -, não tínhamos uma taça à disposição. Como podemos provar os vinhos? Devemos levar taças de casa? É verdade que boa parte dos expositores possui taças para as provas, no entanto algumas delas definitivamente não são adequadas para quem quer avaliar de forma minimamente séria os vinhos. Seria elegante e respeitoso por parte da organização que nos recebessem com uma taça para que pudéssemos fazer a cobertura do evento da forma mais adequada. Os leitores merecem!


Outro ponto que merece destaque negativo é o "espaço gastronômico". Assim mesmo, entre aspas. O site oficial do evento (veja aqui), mencionava uma "praça de gastronomia com menu harmonizado".

Na WW 2013 houve um único "restaurante" disponível - improvisado - com menu de pouquíssimas opções e preços, no mínimo, questionáveis. Jantamos por lá e tivemos a oportunidade de provar duas opções do cardápio, uma massa e um risoto. A massa (Penne ao molho vermelho com berinjela) foi a maior decepção. Lembrei-me daqueles pratos que "preparamos" quando chegamos tarde da noite em casa, um macarrão com uma polpa de tomate e uns pedacinhos de qualquer coisa pra encorpar. Pela bagatela de R$ 40,00! O risoto de funghi seco estava bom, mas longe de valer os R$ 40,00 cobrados. 

O espaço do restaurante Quinta do Museu, no mezanino.

E a harmonização? O "restaurante", apesar de estar próximo dos estandes (no mezanino), não teve qualquer conexão com os expositores. Nenhuma sugestão de harmonização. Minha sugestão é que nas próximas edições os especialistas em vinho da organização elaborem uma lista de sugestões com vinhos do evento para harmonizar com os pratos do restaurante. 

Falando em especialistas ... 
Andando pela feira encontrei, como é praxe nestes eventos, uma lista dos vinhos destacados, o campeão de cada categoria eleito, segundo consta também da página do evento na internet, por um grupo de especialistas. O mundo do vinho é um mundo muito belo e interessante, no entanto determinadas atitudes me deixam bastante incomodado.

Quem são estes especialistas?
Que critérios foram usados na escolha?
Quais amostras foram avaliadas?

Estas são informações que, certamente, os leitores gostariam de saber. Fica aqui mais uma sugestão para as próximas edições do WW.


Mas nem só de erros foi feita a Wine Weekend 2013! Diversos pontos positivos merecem destaque. 

Uma das maiores reclamações dos consumidores no ano passado, foi o espaço da feira. Neste aspecto, a troca de endereço fez muito bem para o evento, com os expositores mais bem distribuídos e mais conforto para os participantes. Outra novidade desta edição - que gostei bastante - foram os carrinhos de compras à disposição! Isso mesmo, consumidores não precisam carregar suas garrafas, sacolas e até caixas nas mãos, ao contrário, podem passear confortavelmente pelos corredores com suas compras em carrinhos de supermercado de forma confortável e despreocupada.

Outro aspecto positivo foi a presença de diversos produtores brasileiros. A 3ª edição da Wine Weekend já havia contado com a presença de algumas vinícolas nacionais, mas eu não vi nenhum dos produtores pessoalmente, diferente desta edição em que lá estavam, tanto em estandes próprios (casos da Lídio Carraro, Perini, Pericó, etc) como no estande da Buenos Vinhos.

A simpatia e conhecimento de alguns expositores também merecem destaque. A grande maioria que visitei e que esteve presente ano passado, veio melhor preparada para esta edição, com maior domínio de informações sobre os produtos expostos, sempre prontos e atentos para dar as informações necessárias para todo tipo de consumidor.

E os vinhos? Afinal de contas, eles são os grandes protagonistas do evento!

Ao meu ver, os expositores fizeram boas escolhas em relação aos vinhos selecionados para as degustações, principalmente por se tratar de um evento para consumidor final, em que o preço médio por garrafa deve ficar na faixa entre R$ 30,00 e R$ 50,00. Embora tenham acertado na seleção para a média dos consumidores, creio que o consumidor que já possua algum conhecimento tenha sentido falta de produtos das linhas "superiores", que foram raros de se encontrar.

A seguir, fotos de alguns destaques: 

Os sempre saborosos tintos da Pericó, com destaque ao Basaltino 2012 (à direita, R$ 90,00), considerado por algumas publicações o melhor Pinot Noir brasileiro!

A Lídio Carraro apresentou produtos de todas as suas linhas. Meu destaque vai para o Elos Cabernet Sauvignon-Malbec 2009 (4º da esquerda para a direita, R$ 90,00), vinho de muita personalidade e grande vocação gastronômica.

A bela seleção nacional da Buenos Vinhos trouxe opções bem variadas, com vinhos de diversas faixas de preços. Meu destaque vai para o Casa Venturini Tannat 2011 (3º da direita para a esquerda, R$ 40,00), com muita fruta e ótima acidez.

Os surpreendentes brancos alemães da importadora Weinkeller agradaram bastante, com destaque para o Riesling Trocken, do produtor Weingut Heinz Pfaffmann (2º da esquerda para a direita, R$ 49,00), muito mineral e com uma acidez crocante.

A Hedoniste, já conhecida pela importação de excelentes Champagnes artesanais, a partir deste ano passa a trabalhar com diversos tintos franceses com destaque especial para o Domaine Auzias 2008 (3º da esquerda para a direita, R$ 50,00), vinho da região de Cabardès, com um inusitado cortes de uvas de Bourdeaux e Languedoc.

Outro estande que vale a visita é o da SmartBuy Wines, com seus vinhos californianos de preços bem interessantes. Meu destaque aqui vai para o Douglas Hill Cabernet Sauvignon 2010 (R$ 40,00), macio e de boa acidez.

E foi assim.

Entre erros e acertos, a Wine Weekend 2013 valeu a visita.

Não tenho dúvidas que muitos aspectos têm de ser melhorados, mas seria injusto não dizer que houve também uma série de acertos e melhorias em relação à edição 2012.

Que o evento continue melhorando, que a 5ª edição venha ainda melhor e

que Baco nos ilumine!
Reações:
Categories: