Jorge Rosas, gerente da Ramos Pinto, fala sobre a história da vinícola e do vinho do Porto, durante almoço-aula-degustação no restaurante Trindade, em São Paulo

Publicado por Blog Vinho SIM em 16.8.13 com Sem comentários

Falar de Adriano Ramos Pinto no Brasil sempre foi e continua sendo sinônimo de falar de vinho do Porto. É tão natural que houve um momento em que não se pedia um vinho do Porto num restaurante, mas sim um "Adriano", resultado de uma estratégia de marketing genial de um jovem produtor português, que fundou sua própria vinícola no ano de 1880 - com apenas 21 anos - e construiu uma linda história, baseada em grandes ideias e vinho de ótima qualidade, que perdura até hoje pelo mundo.

Foi com a expectativa de ouvir mais sobre esta história e saber mais sobre a evolução da Ramos Pinto ao longo dos anos, que tive o prazer de participar de uma verdadeira aula-degustação de alguns dos rótulos da Ramos Pinto, ministrada por Jorge Rosas, um verdadeiro representante de toda a tradição da vinícola e do vinho do Porto, sobrinho-bisneto do fundador, Adriano Ramos Pinto, e hoje gerente de exportação desta marca que é uma das mais prestigiadas do mundo.


História

Durante a "aula", Rosas contou um pouco sobre a história do vinho do Porto e sobre a fundação da vinícola, dada em 1880 por Adriano Ramos Pinto, que com apenas 21 anos e cheio de ideias inovadoras e planos, decidiu exportar vinhos do Porto para o Brasil.

Possivelmente a maior contribuição de Adriano para a vinícola e para o próprio mundo do vinho, foi a ideia de exportar seus vinhos já engarrafados para cá, algo inédito até aquele momento, já que era mais prático e econômico trazer os vinhos em pipas e engarrafá-los aqui.

É claro que para ter êxito nesta empreitada, Adriano pensou num produto de grande qualidade, desde o próprio vinho, claro, até a escolha das melhores garrafas e de lindos rótulos que pudessem encantar o mercado brasileiro. E foi o que aconteceu.

Para se ter a dimensão do sucesso que a ideia teve do ponto de vista comercial e econômico, os portos Ramos Pinto - embora fossem vendidos por aqui a preços até três vezes maiores que os dos concorrentes -, em pouco mais de 10 anos, já dominavam mais de 50% de todo o mercado de vinhos do Porto da América do Sul.

Entre uma taça e outra de ótimos vinhos, Rosas topou contar um pouco mais sobre a história da Ramos Pinto e dividir com o Vinho SIM um pouco de todo seu conhecimento sobre os vinhos do Douro, num bate-papo descontraído (dividido em três partes), cuja a introdução pode ser conferida no vídeo abaixo. Vale a pena ver.


Inovação


Com tanta história e tradição, pode-se pensar que a Ramos Pinto poderia viver "apenas" da reputação adquirida, mas não foi isso que aconteceu.

A contribuição para o mundo do vinho está no sangue da vinícola e, neste sentido, a Ramos Pinto iniciou, em meados da década de 1970, uma grande pesquisa científica com as castas do Douro, que culminou na escolha das 5 "melhores", as mais adaptadas à região e com vocação para a produção de vinhos de grande qualidadeTouriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Tinta Roriz e Tinta Cão, que hoje são usadas por quase todas as vinícolas da região, tanto na produção dos Portos, quanto na produção dos vinhos "Douro", os vinhos "tranquilos" de denominação de origem controlada.

Hoje pode-se afirmar com tranquilidade, que a Ramos Pinto é umas das grandes responsáveis pela modernização que temos observado nos vinhos portugueses ao longo dos últimos anos. 

Vinhos

Durante este encontro, pude provar alguns dos rótulos trazidos ao Brasil pelas mãos da importadora Franco-Suissa (visite o site), todos de ótima qualidade e que serão comentados em breve aqui no Vinho SIM.

Da esquerda para a direita: Duas Quintas Reserva 2008, Duas Quintas DOC 2010, RP Porto Reserva ("Adrianinho"), RP 10 Quinta da Ervamoira (10 anos)

A agradável conversa com Jorge Rosas rendeu outros vídeos, em que o português me contou sobre o futuro da Ramos Pinto, a produção de vinhos orgânicos e deu dicas sensacionais sobre harmonizações com vinhos do Porto, que estarão disponíveis aqui no Vinho SIM nos próximos dias. Sou suspeito para falar, mas são realmente imperdíveis.

Deixo aqui meus agradecimentos ao Jorge Rosas pelo ótimo papo e ao restaurante Trindade (Rua Amauri, 328 - Itaim Bibi - São Paulo - Telefone: 3079-4819) pela recepção.

Que Baco nos ilumine!
Reações: