terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Ranking Vinho SIM de espumantes Nacionais 2012-2013 - Categoria Brut Charmat Rosé - RESULTADO FINAL



Depois das categorias Brut Champenoise Branco e Rosé (veja aqui), Brut Prosecco (veja aqui) e Brut Charmat Branco (veja aqui), chegou a vez dos Brut Charmat Rosé darem o ar da graça no Ranking Vinho SIM de Espumantes Nacionais 2012-2013.

No post sobre os Brut Charmat Branco, escrevi algumas linhas sobre o método Charmat, caso alguém se interesse por esta pequena introdução ao tema, basta acessar aqui.

A categoria Brut Charmat Rosé, assim como já havia acontecido com a Brut Charmat Branco, não apresentou resultados expressivos, de um total de 10 amostras, apenas 3 receberam pontuação igual ou superior à 15 pontos, o que fez com que os degustadores parassem para refletir um pouquinho: que tipo de espumante estamos produzindo de fato?

Lembro à todos que este ranking, contou com a ajuda de bastante gente e caso queiram conhecer ou relembrar as critérios usados, saber quem foram os convidados ou mesmo ver fotos do evento sugiro a leitura DESTE POST, onde escrevi todos estes e mais alguns detalhes sobre esta grande prova.


Saúde e divirtam-se!


RESULTADO FINAL – BRUT CHARMAT ROSÉ


Vinho
Safra
Produtor
Região
$ médio
Nota
1
Kranz
2010
Kranz
Treze Tílias - SC
R$ 30,00
15,25
2
Primícias
-
Garibaldi
Garibaldi – RS
R$ 15,00
15
3
Monte Paschoal
-
Basso
Farroupilha - RS
R$ 22,00
15
4
Villagio Grando
2011
Villagio Grando
Campos de Herciópolis - SC
R$ 37,00
15
5
Rio Sol
-
Santa Maria
V. São Francisco - PE
R$ 25,00
14,5
6
Dal Pizzol
-
Dal Pizzol
Bento Gonçalves - RS
R$ 42,00
14,5
7
Donmo
-
Ponto Nero
Bento Gonçalves – RS
R$ 32,00
14,25
8
Casa Pedrucci
-
Casa Pedrucci
Garibaldi – RS
R$ 30,00
14,25
9
Don Bonifácio
-
Don Bonifácio
Caxias do Sul – RS
R$ 39,00
14,25
10
Cordon D’Or
-
Piagentini

R$ 25,00
13,5

















1. KranzRosé Brut 2010

Região: Treze Tílias – SC
Uvas: Cabernet Sauvignon
Safra: 2010
Álcool: 12%

Caso incomum de espumante Charmat safrado, a primeira garrafa deste 100% Cabernet Sauvignon apresentou defeito, precisando ser substituída por uma segunda amostra. Desta vez tudo certo. A coloração intrigante, acobreado, com pouca perlage deixou os degustadores um pouco apreensivos. Nariz com presença de frutas vermelhas e leveduras. Boca com média acidez e uma presença agradável de frutas vermelhas.

*** ½ $$


2. GaribaldiPrimícias Rosé 750

Região: Garibaldi
Uvas: Riesling e Pinot Noir
Álcool: 12,5%

O fenômeno da relação QUALIDADE-PREÇO ataca novamente. A coloração rosada bem viva e vibrante chama à atenção. Aroma com alguma complexidade, lembrando frutas vermelhas. Paladar com excelente acidez e boa presença de fruta fresca. Ótimo equilíbrio. Um espumante simples, mas o campeão no quesito “gostinho de quero mais”!

**** / $


3. Basso - Monte Paschoal Brut Rosé

Região: Farroupilha - RS
Uvas: 100% Pinot Noir
Álcool: 12%.

Mais um campeão de relação QUALIDADE-PREÇO que já havia se saído bem na categoria Brut Charmat Branco que apresentou-se bem neste categoria. Cor uma bela coloração rosé cereja sedutora e uma perlage de borbulhas médias e bem intensa, este espumante chamou a atenção pelos aromas de frutas silvestres e de flores. Leve e fácil de beber, com boa acidez e ótimo equilíbrio.

**** / $


4. Villagio GrandoBrut Rosé

Região: Campos de Herciliópolis - Água Doce - SC
Safra: 2011
Uvas: 50% Pinot Noir e 50% Merlot.
Álcool: 11,5%.

Bonita cor entre o salmão e cobre de média intensidade, brilhante. Apesar de ser produzido pelo método Charmat, este intrigante corte de Pinot Noir com Merlot apresentou aromas de pão torrado, típico dos champenoise. No nariz, uma boa presença de frutas de polpa carnuda e caldosa como nectarinas e pitangas. Boa fruta e um leve amargor de boa qualidade no retrogosto, lembrando cascas de frutas. Boa persistência.

****|$$$


5.   Vitivinícola Santa Maria – Rio Sol Brut Rosé

Região: Vale do São Francisco - PE
Uvas: Syrah
Álcool: 12%.

Diretamente do Vale do São Francisco, em Pernambuco, vêm as uvas Syrah que produzem este espumante. Coloração rosada com tons acobreados e boa perlage. Na boca mostrou boa fruta com toques vegetais e uma acidez muito viva, deixando um gostinho de carambola no final. Ótima escolha para acompanhar entradas.


*** / $$


6. Dal PizzolBrut Rosé

Região: Bento Gonçalves - RS
Uvas: Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico.
Álcool: 12%.

O interessante corte que une Pinot Noir com Rieling Itálico, mostrou-se com coloração cereja rosado. Perlage fina e persistente. Aromas com boa presença de frutas vermelhas e algum toque cítrico. Na boca possui acidez mediana, um estilo mais adocicado que, ao meu ver, tira um pouco daquele “gostinho de quero mais”, que é uma das grandes características dos Brut Charmat nacionais. É um estilo, não um defeito! Boa persistência.

*** / $$$


7. DomnoPonto Nero

Região: Garibaldi - RS
Uvas: 60% Chardonnay e 40% Pinot Noir.
Álcool: 12%

Bonita coloração vermelho cereja. Perlage fina e persistente. Aromas de morangos frescos, com alguns toques silvestre e de ervas frescas. Na boca possui boa acidez e alguma cremosidade.

*** / $$


8. Casa Pedrucci Rosé Brut

Região: Garibaldi - RS
Uvas: Gamay e Pinot Noir.
Safra: 2011
Álcool: 12%

Bonita coloração vermelho rosado e uma perlage fina e delicada. Aromas de morangos frescos, com algum toque de cassis. Na boca possui boa acidez. Bom equilíbrio.

*** / $$$


9. Don BonifácioBrut Rosé

Região: Caxias do Sul – RS
Uvas: Merlot, Sangiovese e Chardonnay.
Álcool: 12%

Estávamos muito curiosos para provar este espumante que leva Sangiovese no seu corte! Jamais tinha provado e nem ouvido falar de algum espumante produzido com Sangiovese cortado com Merlot e Chardonnay. O resultado é interessante, especialmente nos aromas, que trazem algum toque de frutas tropicais. A acidez mediana prejudica um pouco aquele “gostinho de quero mais”.

*** / $$$


10.    Piagentini Cordon D’Or Rosé

Região: Caxias do Sul - RS
Álcool: 10%.
Preço médio: R$ 25,00

Coloração vermelho cereja de média intensidade. Perlage fina e pouco persistente. Aromas cítricos de pouca intensidade. Embora não parecesse defeito, desconfiamos que pudesse ser uma má garrafa e, por isso, decidimos abrir uma segunda amostra, em que foi constatado que não havia nada de errado, é apenas um estilo mesmo. Na boca possui média acidez e pouca persistência.

** / $$

E vem mais resultados por aí ... Nos próximos dias as categorias Demi-Seco, Moscatel e Extra Brut & Nature. Dúvidas, comentários e afins é só escrever, estou à disposição.



Que Baco nos ilumine!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Direto da Adega: Saint Clémentin Chateauneuf du Pape 2005



Quem vem acompanhando o Vinho SIM sabe que tenho uma certa “mania” de guardar alguns vinhos aparentemente despretensiosos por alguns anos e “ver no que dá”!
Na maior parte das vezes quando provo um vinho que acredito ter bom potencial de guarda e possuo outras garrafas, acabo anotando minhas impressões e guardando uma ou duas garrafas. Aqui no blog já comentei alguns vinhos nestas condições, como o australiano Cape Mentelle e o brasileiro Família Piagentini Boutique, dentre outros.

Antes de falar do protagonista desta brincadeira, o Saint Clémentin Chateauneuf du Pape 2005, vou comentar um pouquinho sobre a região e a denominação de origem que dão nome ao vinho.

Châteauneuf-du-Pape é uma AOC - Appellation d'Origine Contrôlée (Apelação de Origem Controlada) localizada no sudeste da França, nas imediações do Vallée du Rhône (Vale do Rhone). É uma das denominações mais famosas da França e certamente a mais conhecida da parte sul do Rhone.
A região recebe este nome pois a partir do século 14 foi residência do papa Clemente V e de toda a corte do Vaticano que, ao se mudarem, decidiram investir na construção de uma nova sede, carinhosamente chamada pela população local de château neuf (castelo novo, em francês). Ao todo, 8 papados foram sediados na região e em comum a paixão de todos pelo cultivo da uva e a elaboração de vinhos, fatos que deram à região uma grande tradição na arte de fazer vinho.

A região possui cerca de 300 produtores que podem mesclar até 13 uvas na elaboração, sendo as mais emblemáticas a Grenache (a mais cultivada), a Mourvèdre e a Syrah, no entanto Cinsault, Counoise, Muscardin, Terret Noir, Vaccarèse e as brancas Grenache Blanc, Bourboulenc, Clairette, Picardin, Roussanne e Picpoul são todas autorizadas para a produção.

Feito esse micropanorama da região, vamos à degustação do nosso Saint Clémentin Chateauneuf du Pape 2005.

Elaborado com Grenache, Syrah e Mourvédre e com 13,5% de álcool, apresentou coloração acastanhada de média intensidade, ainda com algum brilho. Nariz cheio de frutas maduras e secas com toques de especiarias. Na boca tem corpo médio, com bastante fruta e uma acidez fantástica. Pouca presença de taninos e boa persistência. Foi uma ótima pedida tê-lo aberto e tomado, mas não tenho dúvida que ainda poderia continuar bom por mais diversos anos.


Avaliação VINHO SIM: ÓTIMO (16/20)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Ranking Vinho SIM de espumantes Nacionais 2012-2013 - Categoria Brut Charmat Branco - RESULTADO FINAL


Depois das categorias Brut Champenoise Branco e Rosé (veja aqui) e Brut Prosecco (veja aqui), chegou a hora de outros resultados do Ranking Vinho SIM de Espumantes Nacionais 2012-2013. A bola da vez são os brancos da categoria Brut Charmat.

Antes de tudo, algumas palavras sobre o Charmat.

Também chamado Charmat-Martinotti, este processo é um método mais econômico que o Método Champenoise para criar gás carbônico nos espumantes, pois o vinho é submetido à segunda fermentação em tanques de aço inoxidável (em vez da própria garrafa) e é engarrafado sob pressão. O processo é similar ao de fabrico de refrigerantes, diferindo deste na medida em que o gás carbônico do espumante é produzido na segunda fermentação (enquanto o do refrigerante é simplesmente adicionado por uma fonte externa ao processo). Este processo foi inventado em 1895 pelo enólogo italiano Federico Martinotti mas foi patenteado em 1907 pelo francês Eugène Charmat.

Esta categoria foi a que me trouxe o maior desapontamento com os espumantes nacionais. De um total de 28 amostras (entre brancos e rosés), apenas uma recebeu pontuação acima dos 16/20 pontos.

Lembro à todos que este ranking, contou com a ajuda de bastante gente e caso queiram conhecer ou relembrar as critérios usados, saber quem foram os convidados ou mesmo ver fotos do evento sugiro a leitura DESTE POST, onde escrevi todos estes e mais alguns detalhes sobre esta grande prova.


Saúde e divirtam-se!


RESULTADO FINAL – BRUT CHARMAT BRANCO


Vinho
Safra
Produtor
Região
$ médio
Nota
1
Poesia do Pampa
2011
Guatambu
Don Pedrito - RS
R$ 43,00
17,25
2
Monte Paschoal
-
Basso
Farroupilha - RS
R$ 19,00
15,75
3
Cordon D’Or
-
Piagentini
Caxias do Sul - RS
R$ 25,00
15,50
4
Salton
-
Salton
Vale dos Vinhedos - RS
R$ 19,00
15,25
5
Dal Pizzol
-
Dal Pizzol
Bento Gonçalves - RS
R$ 42,00
15,25
6
Chardonnay
-
Garibaldi
Garibaldi – RS
R$ 19,00
15,0
7
Reserva Ouro
-
Salton
Bento Gonçalves - RS
R$ 29,00
15,0
8
Vivere
-
Casa Venturini
S. do Livramento - RS
R$ 32,00
15,0
9
Villagio Grando
2011
Villagio Grando
C. de Herciópolis - SC
R$ 37,00
15,0
10
Tributo
-
Marco Luigi
Bento Gonçalves - RS
R$ 35,00
15,0
11
Primícias
-
Garibaldi
Garibaldi – RS
R$ 15,00
14,75
12
Ponto Nero
-
Domno
Garibaldi – RS
R$ 32,00
14,75
13
Dádivas
-
Lídio Carraro
Bento Gonçalves - RS
R$ 40,00
14,75
14
Don Bonifácio
-
Don Bonifácio
Caxias do Sul - RS
R$ 28,00
14,5
15
Maximo Boschi
-
Maximo Boschi
Bento Gonçalves - RS
R$ 26,00
14,5
16
Giuseppe Garibadi
-
Garibaldi
Garibaldi – RS
R$ 26,00
14,5
17
Pericó
2011
Pericó
São Joaquim - SC
R$ 34,00
14
18
Ar
-
Dunamis
Cotiporã - RS
R$ 35,00
12




1.    Guatambu Poesia do Pampa 2011

Região: Don Pedrito – Campanha Gaúcha - RS
Uvas: 80% Chardonnay e 20% Sauvignon Blanc.
Álcool: 12,5%.

Muito acima de seus “concorrentes”, além de sobrar nesta categoria, sua pontuação o coloca como um dos melhores espumantes do Brasil. Aromas de frutas cítricas frescas combinados com frutas de polpa branca maduras e toques de frutas secas. Cremoso e com ótima acidez, também é um dos grandes campeões no quesito vontade de continuar bebendo!

***** / $$$


2. Basso - Monte Paschoal Brut

Região: Farroupilha - RS
­Uvas: Chardonnay e Riesling Itálico.
Álcool: 12%.

Provavelmente a maior surpresa de toda a degustação! Apesar de não apresentar complexidade, seus aromas de frutas cítricas com notas de frutas doces são muito agradáveis e são uma ótima abertura para um paladar fresco e vivo. Superdestaque da relação QUALIDADE-PREÇO.

**** / $


3.    Piagentini Cordon D’Or Brut

Região: Caxias do Sul - RS
Álcool: 10%.

Outra boa surpresa da degustação. Espumante sem pretensão de "imitar" champagnes, possui certa cremosidade e um frescor que lhe confere aquele gostinho de "quero mais". 

*** / $$


4. Salton - Brut

Região: Bento Gonçalves - RS
Uvas: Chardonnay, Riesling, Malvasia, Trebiano e Semillon.
Álccol:  11,5%

Um dos grandes campeões de vendas do mercado nacional, este espumante surpreendeu na degustação, principalmente pela inconstância que em demonstrando no decorrer dos anos. Este esteve bem fresco com notas frutadas agradáveis.

*** / $


5. Dal Pizzol - Brut

Região: Bento Gonçalves - RS
Uvas: Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico.
Álcool: 12%.

De cara, a perlage chama à atenção pelas formação de borbulhas pequenas e bem constantes. Os aromas elegantemente cítricos envolvidos por toques de leveduras e pão tostado dão o tom. Na boca apresentou acidez mediana com um leve toque frutado. É um espumante com uma certa vocação gastronômica. Possivelmente uma ótima escolha para culinária japonesa, especialmente se for harmonizado com atum.

*** / $$$


6. GaribaldiChardonnay

Região: Garibaldi
Uvas: 100 % Chardonnay
Álcool: 13%

Amarelo palha com reflexos dourados, límpido e brilhante. Perlage formando borbulhas finas e numerosas. Aromas delicados e potentes, lembram pêssego, maça madura, com sutil e fino toque de pão tostado, aroma esse que evolui com o envelhecimento do espumante. Estruturado e cremoso, com uma sensação de frescor devido a seu equilíbrio entre açúcar e acidez, deixando um final de boca amável e agradável.

*** / $$


7. Salton – Reserva Ouro

Região: Bento Gonçalves - RS
Uvas: 60% Chardonnay, 20% Pinot Noir e 20% Riesling.
Álccol:  12,5%

Mais um clássico do mercado nacional. Aromas discretos de frutas tropicais. Fácil de beber, com boa acidez e frescor.

*** / $$


8. Casa VenturiniVivere

Região: Campanha Gaúcha - Santana do Livramento - RS
Uvas: 80% Chardonnay, 10% Sauvignon Blanc, 10% Merlot.
Álcool: 12%.

Com uma composição no mínimo inusitada, misturando Sauvignon Branc e Merlot, o Vivere, mostrou-se um espumante leve e descompromissado, com boa acidez e bom frescor. Ótima pedida curtir os dias quentes de verão com uma taça na mão.

*** / $$


9. Villagio GrandoBrut 2011
  
Região: Campos de Herciliópolis - Água Doce - SC
Safra: 2011
Uvas: 60% Chardonnay, 30% Pinot Noir e 10% Pinot Meunier.
Álcool: 11,5%.

Interessante perceber que, apesar da composição clássica de Champagne - inclusive com 10% de Pinot Meunier, única no Brasil – este espumante tem personalidade própria, trazendo características totalmente diferentes dos champagnes. Aromas bem leves e sutis de flores com toques cítricos. Boca leve e com média acidez. Boa pedida para entradas.

*** / $$$


10.  Marco Luigi Tributo

Região: Bento Gonçalves – RS
Uvas: 100% Chardonnay.
Álcool: 12 %

Este 100% Chardonnay mostrou uma discreta presença aromática, lembrando frutas cítricas e algum toque de melão. A acidez mediana o deixa bastante suave no paladar, mas falta aquele gostinho de “quero mais”. Bom espumante para entradas frias e saladas.

*** / $$


11.   GaribaldiPrimícias 750

Região: Garibaldi
Uvas: Riesling e Trebbiano
Álcool: 12,5%

O que mais chama à atenção neste espumante é seu preço por volta dos R$ 15,00, o que o torna uma excelente relação QUALIDADE-PREÇO.
Os aromas de frutas cítricas como lima e limão siciliano se fundem com os tropicais da physallis. Paladar com boa lembrança de frutas tropicais e cítricas novamente, de ótima acidez, refrescante e quase crocante, algo que me lembrou maçã verde. Final curto, mas nesta altura da prova as impressões positivas já haviam me conquistado. Apesar de ser um espumante bem simples, fiquei muito positivamente surpreso com este vinho já que ele amealhou quase 15 pontos!

*** / $


12.    DomnoPonto Nero

Região: Garibaldi - RS
Uvas: 60% Chardonnay, 30% Pinot Noir, 10% Riesling.
Álcool: 12%.

Aroma sutil com notas de frutas tropicais mafuras e algo cítrico. Acidez mediana e alguma cremosidade.

*** / $$


13.  Lídio Carraro - Dádivas

Região: Bento Gonçalves - RS
Uvas: Chardonnay e Pinot Noir.
Álcool:  12%

Bela perlage fina, abundante e persistente. No nariz, as frutas maçã verde, abacaxi e algum toque floral. Na boca tem ótima acidez - bem equilibrada pela fruta – e frescor. Se dependesse exclusivamente da minha avaliação teria tido uma melhor colocação, principalmente por possuir com louvor a característica que mais aprecio em espumantes: aquele gostinho de “quero mais”.

**** / $$$


14.  Don Bonifácio - Brut

Região: Caxias do Sul – RS
Uvas: Merlot e Chardonnay.
Álcool: 12%

Apesar de possuir uma boa paleta aromática, que lembrou pêssegos e pão torrado, na boca faltou um pouco de frescor. Alguns toques amanteigados deixaram o este Brut com um certo desiquilíbrio. Com um pouquinho mais de acidez teria subido bastante na colocação final.

*** / $$


15.    Maximo Boschi Brut

Região: Bento Gonçalves - RS
Uvas: 35% Chardonnay e 50% Riesling e 15% Merlot Noir.
Álcool: 12%

Depois da ótima avaliação do Tradizionale, que ficou com a primeira colocação da categoria Champenoise, inclusive deixando para trás o mais famoso espumante da M. Boschi – Speciale - , a expectativa por este vinho aumentou bastante. Apesar do corte completamente diferente do Tradizionale, depois de revelados os rótulos, provei-o novamente (obviamente sem consideração de notas) procurando características que o relacionassem com seus “irmãos” champenoise, mas não encontrei quase nada. Ao meu ver, o que tornou o Tradizionale o grande vencedor da categoria Champenoise foi o ótimo frescor que apresentou, uma característica que muitos dos champenoises provados não mostraram. Já este Charmat, muito bem elaborado, mostrou-se elegante, com boas notas de frutas maduras no nariz, mas faltou um pouco mais de frescor ao paladar.

*** / $$

16.    GaribaldiGiuseppe Garibaldi

Região: Garibaldi - RS
Uvas: 85% Chardonnay e 15% Pinot Noir
Álcool: 13% vol

No nariz lembrou maçã e frutas secas. Paladar com boa cremosidade. Acidez mediana. Mais um espumante que certamente mostraria suas melhores qualidades se acompanhando algum prato da culinária japonesa ou mesmo pratos de culinárias que utilizam toques apimentados nos pratos.

*** / $$


17.  Pericó Cave Pericó Branco 2010

Região: Pericó Valley – São Joaquim - SC
Uvas: 40% Cabernet Sauvignon, 28% Merlot e 32% Chardonnay.
Safra: 2011

O corte de Cabernet Sauvignon, Merlot e Chardonnay é muito interessante e vale a pena ser provado por si só. Bonita perlage, fina e com média persistência. No nariz, destaque para os aromas de frutas de polpa branca. Boca com acidez mediana e bom equilibrio.

** / $$$


18.    Dunamis - Ar

Região: Cotiporã – RS
Uvas: 100% Chardonnay.
Álcool: 11,5%

Espumante bem leve e descompromissado. Sem defeitos, mas que não encantou os degustadores por parecer simples demais, isto é, não apresentou alguma característica que lhe desse destaque.

*** / $$


E vem mais resultados por aí ... Nos próximos dias as Brut Charmat Rosé, Demi-Seco, Moscatel e Extra Brut & Nature. Dúvidas, comentários e afins é só escrever, estou à disposição e que Baco nos ilumine!


Qual dos vinhos seguir você gostaria de ver comentado aqui no Vinho SIM?