Gheller - Cabanha Tannat 2008: uma surpresa e tanto!

Publicado por Blog Vinho SIM em 30.5.14 com Sem comentários

Há pouco mais de um ano atrás escrevi sobre um vinho que havia me impressionado à época, o Gheller Tannat 2007 (relembre), principalmente por ser um brasileiro produzido com uma casta ainda não tão bem domada e difundida - posso contar nos dedos os Tannats brasileiros que gosto de verdade - e de relação qualidade-preço fora do comum. Na ocasião cheguei a comentar que o vinho, eleito aqui no Vinho SIM a pechincha de dezembro/2012, era um verdadeiro presente de Papai Noel.

Obviamente meu ceticismo quanto a esse resultado tão bom não me deixou feliz enquanto eu não provasse novamente o "dito cujo". Provei e confirmei: o Gheller Tannat 2007 é realmente uma das melhores relações qualidade-preço do Brasil.

Daquele momento em diante, comecei a prestar mais atenção ao mercado de Tannats brasileiros e o que pude concluir é que os produtores  por aqui me parecem estar olhando cada vez com mais carinho para a Tannat nos últimos anos e alguns bons produtos têm surgido no nosso mercado. Já temos há algum tempo a Don Laurindo e a Lídio Carraro produzindo bons vinhos com esta casta e mais recentemente também surgiram varietais da Casa Perini, Pizzato, Dunamis, dentre outros.

É claro que "nossos" Tannats ainda são incomparáveis em ternos de concentração de fruta, estrutura e taninos com os dos nossos vizinhos uruguaios, mas creio que este caminho da comparação não seja o ideal e nem a busca dos produtores, já que a concorrência seria, provavelmente, fatal para nós. Os Tannats produzidos por aqui são tem tudo um pouco menos que os dos nossos vizinhos, mas nem por isso podem ser menos prazerosos de beber. São estilos diferentes que podem se apropriar de nichos de mercado também diferentes.

E foi nesta busca que me deparei com a Gheller, uma jovem vinícola fundada em 2004 no município de Guaporé, a 50 km do Vale dos Vinhedos.

No início, foram apenas 3 hectares de Cabernet Sauvignon com mudas importadas da França em uma área privilegiada e cuidadosamente estruturada. Após um pequeno período de “testes”, a área foi ampliada e introduzidas novas cultivares como Merlot, Chardonnay, Tannat, Carnenère e Ugni Blanc (Trebbianno), totalizando 18 hectares de plantação de videiras com produção limitada ao máximo de 8.000 kg de uva por hectare, reforçando o foco na qualidade. 

Entre um Tannat e outro, cheguei até a Gheller. Convidados por mim para participar da 1ª Edição do Ranking Vinho SIM de Espumantes Nacionais, toparam o desafio e, de lá para cá, comecei a procurar seus vinhos. Foi assim que cheguei ao Cabanha Tannat 2008, vinho surpreendente.

Com produção limitada a 5300 garrafas (3kg de uvas por planta) é um vinho de estilo próprio, cada vez mais raro no mercado. Consegue ser refinado com certos toques de rusticidade na medida certa

O nariz se abre com uma profusão de frutas vermelhas e negras bem maduras - quase uma compota de framboesas, groselhas, amoras e mirtilos -, que são acompanhadas por notas de couro, tudo envolvido por uma camada terrosa e toques defumados aportados pelos 12 meses de estágio em barricas de carvalho francês. Na boca, a sensação de frutas maduras se confirma, acompanhadas por toques de chocolate, taninos firmes e maduros, além de excelente acidez que torna o conjunto muito harmonioso.

O próprio rótulo da garrafa já denuncia sua harmonização perfeita: a carne de cordeiro que, não por acaso, é uma das outras especialidades da fazenda onde a vinícola está. Escolhi carrés de cordeiro acompanhados de batatas rústicas assadas com tomilho e, sinceramente, embora o vinho deva se dar muito bem com carnes de sabor mais adocicado em geral, nem tente outra coisa, como diz o próprio site da vinícola "eles parecem ter nascido um para o outro".



Enfim, este é um vinho brasileiro que julgo imperdível para qualquer enófilo, curioso ou para aqueles que ainda têm qualquer preconceito com o que é produzido no Brasil. Recomendadíssimo! 

R$ 70,00 | Álcool 13,5%

Avaliação Vinho SIM: REFINADO (17/20) / Relação QUALIDADE-PREÇO: ÓTIMA
Reações: